segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

As folhas da vida



Caem de maduras as folhas da minha vida... será o Outono que chegou? Ou mais alguém que se irá embora? Espero no alcance da minha visão que cheguem as andorinhas, como uma menina pequena que espera impaciente pela hora de crescer, será que chora... será que ri? De certo desespera pelos dias que não chegam, e as horas que teimam em não passar. E eu que faço aqui perdida neste meu grito em silêncio? Fujo mas sem sair do lugar como uma arvore que corre das chamas que a consomem, enquanto isso as folhas caem e com elas as lágrimas de solidão que penetram na mais sólida rocha sem uma simples marca de tempo deixar, quero colar peça a peça deste puzzle da vida e folha a folha repor a história que se perdeu um dia , sem se saber bem onde ou quando... mas histórias que importam as histórias de folhas? Será apenas mais uma perdida em meros cadernos ratados pelas marcas do esquecimento. Então grita... foge... respira... sente... vive... canta... fala... sofre... chora... ri... inventa... cria... mas mais que tudo... sê livre e deixa a tua marca pela vida pelo que és e não pelo que podias ter sido. Não pares esse relógio porque eu ainda estou aqui para ouvi-lo tocar contigo ao som das folhas que caem.

Um comentário:

Fátima (Peres) Macedo disse...

Ola minha querida AMIGA
Se eu pudesse agarrar um arco-íris
Eu o agarraria só para ti,
Compartilharia contigo a sua beleza,
Nos dias em que te sentisses triste!

Se eu pudesse construir uma montanha...
Tu poderias chamá-la de só tua,
Um lugar para encontrar serenidade,
Um lugar para estar sozinha!

Se eu pudesse pegar nos teus problemas,
Eu os atiraria no mar!

Mas todas estas coisas em que eu estou pensando...
São impossíveis para mim
Eu não posso construir uma montanha,
Ou pegar num belo arco-iris....

Mas deixa-me ser o que eu sou e sei de melhor!!??
Uma amiga que apesar de ausente... está sempre por perto e com o coração sempre disponivel!